Pensamento...

"Eu sou o Colombo da minha alma e diariamente descubro nela novas regiões." | Gibran Khalil Gibran.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

PENSAMENTO...

"A ignorância é, geralmente, irmã da maldade." - Sófocles.

Referência:

STEIGLEDER, Carlos G. (org.). Pensamentos... 1. ed. São Leopoldo / RS: Ed. Nova Harmonia, 2004. p.69.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

PARA SER BEM-SUCEDIDO

Quem sabe perseverar
No rumo escolhido
Quase sempre se torna
Muito bem-sucedido!

domingo, 26 de fevereiro de 2012

EXAMINANDO A FELICIDADE - CHICO XAVIER / EMMANUEL

Do egoísmo ao amor, vemos desdobrar-se a velha escala de sombra e luz em que se graduam as forças negativas e positivas da felicidade, qual é conhecida no campo terrestre.



Entre as forças negativas, observamos aquele que exige.



Entre as forças positivas reparamos aquele que renuncia a si mesmo, na exaltação do bem de todos.



O primeiro busca acumular valores para si próprio.



O segundo espalha os valores recebidos.



***



No egoísmo, temos paralisada a corrente da vida, gerando treva.



No amor, possuímos o movimento divino dessa mesma vida em seu fluxo e refluxo de talentos sublimes, acendendo a claridade de conduzir-nos à imortalidade vitoriosa.



É por isso que a felicidade dos corações, que a reclamam exclusivamente para si, permanece envenenada pelo tédio infalível a corromper-lhe todas as alegrias, de vez que o homem isolado no cárcere da ociosidade e da ambição, cria para si mesmo o desalento e o cansaço como que sufocado pelas energias sem proveito de que se cerca, displicente.



***



Por essa razão a felicidade das almas que a dividem com os semelhantes é o júbilo crescente daqueles que descobrem a comunhão com Deus, sempre mais rica de bênçãos, à medida que as bênçãos de paz e luz se lhes fluem das mãos incansáveis e generosas.



***



Não te guardes na atitude infeliz da criatura que deseja ser amada, permanentemente detida entre os muros da discórdia e do ciúme, da insatisfação e do desespero, mas aprendamos com o Cristo a amar sempre, sem o propósito de qualquer retribuição, porque renunciando em benefício dos outros e servindo constantemente, ainda mesmo na cruz, seguiremos com Ele ao encontro da felicidade incorruptível e eterna.







Referência Bibliográfica:







XAVIER, Francisco C. / Espírito Emmanuel. Inspiração. São Bernardo do Campo, SP: GEEM (Grupo Espírita Emmanuel), 1978. p.83-85.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

ENTÃO, O ESPIRITISMO É A RELIGIÃO DO FUTURO? - Resposta de Léon Denis

Ele é, antes de mais nada, o futuro da religião. O Espiritismo, como seu nome indica, é a mais alta e a mais científica forma do espiritualismo. Ele é, ao mesmo tempo, já o dissemos, uma ciência positiva, uma filosofia moral, uma solução social. Sob todos esses títulos, ele responde admiravelmente às exigências do pensamento moderno, às necessidades do coração humano, às aspirações elevadas da alma. Os progressos do futuro confirmarão cada dia mais seus ensinamentos e sua doutrina: podemos, pois, afirmar que o Espiritismo é o Credo futuro da humanidade.

Referência:

DENIS, Léon. Síntese Doutrinária e Prática do Espiritismo. 1. ed. Juiz de Fora / MG: Instituto Maria, 1982. p.60-61.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

O TEMPLO DOS MIL ESPELHOS

De acordo com uma antiga lenda japonesa, havia num bosque ermo, distante muitos quilômetros do vilarejo mais próximo, um misterioso templo, o Templo dos Mil Espelhos.
Nenhuma pessoa ousava profaná-lo, pois dizia-se que quem o fizesse defrontar-se-ia com estranho perigo. Por isso, ninguém ia até lá.
Um dia, no entanto, dois cachorros foram abandonados no bosque e, completamente desorientados, acabaram encontrando o temido templo.
Sem saber que se tratava de um lugar muito perigoso, um dos cachorros resolveu entrar.
Por fora, a vegetação cobria e ocultava a grandiosidade do templo. Por dentro, porém, quando o cachorro atravessou a imensa porta que dava acesso ao interior, assustou-se. Latiu desesperadamente e abandonou o templo em desespero, recomendando ao outro cachorro que ali não entrasse, que fosse embora e salvasse sua vida. Partiu em disparada para lugar nenhum, maldizendo aquele lugar sinistro.
O outro cachorro, contudo, ficou intrigado e não aguentando mais de curiosidade, resolveu por entrar no templo e enfrentar corajosamente os seus perigos.
Entrou no templo calmo e seguro de si. Assim que atravessou a porta, surpreendeu-se com aquilo que viu.
Diante dele, havia uns mil cachorros, observando-o com um olhar de espanto. Para cada lado que olhava, centenas de cachorros o encaravam ameaçadoramente.
Amedrontado, ele ia começar a latir, mas conteve-se. Ao invés disso, experimentou dar um sorriso. Foi quando o inusitado aconteceu. Ao sorrir, todos os cachorros, ao mesmo tempo, passaram a sorrir também.
O cachorro sentiu-se aliviado e feliz, por ver todos aqueles cachorros sorrindo para ele de forma amistosa.
Foi embora do templo bendizendo-o: que lugar maravilhoso!
Mesmo depois disso, nunca nenhuma pessoa teve coragem de entrar no Templo dos Mil Espelhos, com medo dos perigos que poderiam ter que enfrentar em seu interior.
 
***

Refletindo sobre essa lenda japonesa, podemos destacar dois pontos: o medo que temos de nos autoconhecer e o fato de que o nosso exterior muitas vezes não é mais do que o reflexo do nosso interior.
Quem tem a coragem de entrar no templo de si mesmo, sem temer o que lá poderá ser encontrado? Difícil responder. Todavia, chega um momento na vida, e este momento chega para todos, em que não é mais possível adiar a grande viagem: a viagem para dentro de si mesmo, para o templo interior.
Infelizmente, para muitas pessoas, esse momento só chega com a velhice, porque passaram toda a sua vida terrena sem cogitar sobre a sua realidade mais profunda. E é justamente nesse momento que se intensificam os medos: o medo de saber quem ou o que é de verdade, o medo de não ter vivido bem a existência, o medo com o que sucederá depois da morte...
Algumas pessoas, ainda raras, tem a coragem de entrar no Templo dos Mil Espelhos e enfrentar os seus possíveis perigos, descobrindo o que de fato existe ali dentro.
E quando isso ocorre, verifica-se uma singular transformação na pessoa corajosa, dá-se como um estalo, um repentino despertar.
É como se uma poderosa luz fosse acendida em uma sala escura, expulsando de vez a escuridão.
Tudo parece claro agora.
Tudo faz sentido.
A pessoa então descobre que os acontecimentos que a machucaram ou os que a fizeram felizes são, na maioria das vezes, apenas respostas ao que existe dentro de si e não sabe, como os cachorros que entram no templo e, enquanto um late, o outro sorri para si mesmo.
Viver no mundo a partir de uma perspectiva espiritual demanda conhecimento de si mesmo e atenção aos elementos de ligação entre o mundo de dentro e o mundo de fora.
Mas para tanto, é preciso ter coragem e superar o medo, porque o medo é o maior obstáculo para o autoconhecimento e para uma vida feliz.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

PROBLEMA DE ENTENDIMENTO - CHICO XAVIER / EMMANUEL

Não basta viva o homem longa existência na forma física para que se lhe exalte a romagem nos fastos do tempo. É imprescindível conhecer-lhe o conteúdo da grande marcha.

***


Muitos atravessaram por mais de um século o terreno caminho deixando, porém, na retaguarda, os minutos repletos de rebeldia e desencanto, de inutilidade e solidão.
Muitos outros legaram, aos descendentes, após enorme sequência de lustros do calendário, a lamentável herança da crueldade, muita vez a expressar-se no crime.
Outros, no entanto, guardando os talentos do corpo físico, a prazo curto, souberam entesourar, na esteira das horas, sublimes patrimônios de aprendizado e serviço, no justo entendimento da responsabilidade de respirar e viver...

***


Não vale penetrar a oficina do Cristo e pavonear-se com títulos exteriores, valendo-se da crença inoperante para escudar-se na preguiça ruinosa.

***


Observa a produção de tua fé, inventaria as próprias ações, em contato com os dons que te felicitam, e compreenderás que a lição de Jesus, quanto aos “últimos que serão os primeiros no Reino dos Céus”, se refere aos espíritos valorosos e decididos, abnegados e resolutos que fazem da própria vida não somente um florilégio de preciosas afirmações verbais, mas sim um roteiro de amor e luz, sentindo e realizando com o próprio sacrifício, para que as lutas do presente na Terra se transformem, desde hoje, em trilho de ascensão para o Celeste Porvir.


Referência Bibliográfica:


XAVIER, Francisco C. / Espírito Emmanuel. Inspiração. São Bernardo do Campo, SP: GEEM (Grupo Espírita Emmanuel), 1978. p.80-82.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

QUE É DEUS? - SUGESTÃO DE LEITURA

O livro dos Espíritos, organizado e compilado por Allan Kardec, é a obra que dá origem ao Espiritismo na segunda metade do século XIX. Trata-se de um diálogo entre o mundo material e o mundo espiritual através da mediunidade. Contendo 1019 perguntas sobre os temas mais diversos, cada uma delas revela a profundidade e a sabedoria do pensamento dos seus autores, os Espíritos Desencarnados. À primeira pergunta, "O que é Deus?, segue a resposta: "Inteligência Suprema, causa primária de todas as coisas".
O livro que sugerimos esta semana foi desenvolvido a partir da questão primeira de O Livro dos Espíritos. Que é Deus?, de Eliseu F. da Mota Júnior, é uma publicação da Casa Editora O Clarim, que possui excelentes títulos de divulgação e de estudo do Espiritismo. De uma forma clara e concisa, o autor monta um excelente panorama sobre a compreensão que temos de Deus.
O livro está dividido em quatro partes, onde se apresenta em cada uma delas a visão da ciência, da religião, da filosofia e do Espiritismo sobre Deus. 
É uma leitura oportuna para quem deseja aprofundar o entendimento que Espiritismo possui da questão primeira: Deus!
Extraímos o seguinte texto da contracapa do livro:
"Consta que certa vez, defrontado com esta indagação (O que é Deus?), Santo Agostinho teria respondido: Quando me perguntam que é Deus, eu não sei; porém, se não me perguntam, então eu sei. Não obstante isso, caudalosos rios de tinta e vicejantes florestas de papel já foram consumidos para procurar outra resposta, porque o homem continua confuso diante do seu Criador.
A proposta deste livro é, sobretudo, ajudar o leitor a entender a razão pela qual Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas."

Referência:

MOTA JÚNIOR, Eliseu F. Que é Deus? 1. ed. Matão / SP: Casa Editora O Clarim, 1997. 174p.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

A LEI DA RECEPTIVIDADE

Manter a alma aberta
Para o que der e vier
É a filosofia certa
Para o que se quer:

Praticar a autodescoberta
A cada dia, tanto quanto puder,
Estar receptivo e alerta
Haja o que houver.

Eis o segredo dos segredos
De uma vida feliz, sem medos,
Angústias ou preocupações...

Pois tudo o que acontece,
Até a dor que se padece,
Tem sempre suas razões!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

PARA FICAR BEM

Ter fé e sempre acreditar
Que tudo está ou ficará bem
É o caminho para superar
Os problemas que se tem!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

O FIM DO MUNDO

Muitas pessoas previram e esperaram o fim do mundo para o ano 2000, acreditavam nisso piamente, sem sequer duvidar que ele não pudesse acontecer... Contudo, o vaticínio sinistro não se verificou. O mundo ainda existe e segue cumprindo seus ciclos de rotação e de translação de forma inalterável, como sempre fez desde a sua origem, completamente alheio às profecias apocalípticas.
Agora, com o término do calendário maia e com a decifração de uma antiga profecia que anuncia o regresso dos deuses à terra, novamente o fim do mundo se torna pauta de discussão nos meios mais diversos.
No entanto, será mesmo que o mundo vai terminar?
Para os cientistas a resposta é afirmativa. Sim, o mundo vai terminar! Mas isso se daria em uma escala cósmica, daqui há milhões de anos, acompanhando o colapso energético da estrela que o ilumina, o Sol.
O Espiritismo, que é ao mesmo tempo uma ciência, uma filosofia e uma religião, partilha do ponto de vista dos cientistas, entendendo que tudo o que é de ordem material está sujeito a toda sorte de transformações. Portanto, assim como nosso mundo teve um começo, também terá um fim.
E como o Espiritismo se posiciona frente às previsões para 2012? Da mesma forma que se posiciona diante de qualquer previsão. Analisa racionalmente a possibilidade da previsão concretizar-se ou não, mas sem ligar muita importância a ela, permanecendo focado em sua proposta de iluminação do ser humano.
Allan Kardec, o codificador do Espiritismo, preconizava que deveríamos sempre atentar para as revelações e os ensinos coletivos e concordantes dados pelos Espíritos, desconfiando das revelações e dos ensinos feitos isoladamente.
Sobre o fim do mundo, parece ser lugar comum nas comunicações mediúnicas que circulam no Brasil e em outras partes do mundo, interpretar as previsões e as profecias que estão em relevo num sentido figurado. Ao invés de significar o desaparecimento material do globo, simbolizariam um conjunto de transformações drásticas e profundas que culminariam com o estabelecimento de uma nova ordem planetária.
Alguns Espíritos chegam a comparar as diferentes crises, problemas e conflitos que vivenciamos na atualidade, às dores do parto, mas o parto desse nova realidade que estaria em gestação, já prestes a nascer.
Quanto à profecia maia sobre o regresso dos deuses, talvez ela encerre em si o sentido de busca da espiritualidade, que vem se intensificando desde as últimas décadas.
Se o mundo vai ou não acabar no final deste ano ou daqui há milhões de anos é difícil de prever, mas isso não é relevante, pois o essencial é vivermos da melhor maneira possível enquanto ele e nós aqui estamos, em regime de respeito, de interdependência e de consciência espiritual. Talvez a melhor maneira de evitar o fim do mundo seja aprendermos a conviver em paz uns com os outros, o que ainda não conseguimos realizar, mesmo com todos nos nossos avanços científicos e tecnológicos.
Na perspectiva do Espiritismo, assim, o mundo material pode deixar de existir sem afetar significativamente o mundo espiritual, lugar de onde todos viemos e lugar para o qual todos voltaremos, mais cedo ou mais tarde.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

DOIS ASPECTOS DA QUESTÃO 132 LE

132 – Qual é o objetivo da encarnação dos Espíritos?

     - Deus lhes impõe a encarnação com o objetivo de fazê-los chegar à perfeição. Para alguns é uma expiação, para outros é uma missão. Todavia, para alcançarem essa perfeição, devem suportar todas as vicissitudes da existência corporal; nisso é que está a expiação. A encarnação tem também outro objetivo que é o de colocar o Espírito em condições de cumprir sua parte na obra da criação. Para realizá-la é que, em cada mundo, ele toma um aparelho em harmonia com a matéria essencial desse mundo, cumprindo aí, daquele ponto de vista, as ordens de Deus, de tal sorte que, concorrendo para a obra geral, ele próprio se adianta.

     A ação dos seres corpóreos é necessária à marcha do Universo, mas Deus, em sua sabedoria, quis que, por essa mesma ação, eles encontrassem um meio de progredir e de se aproximarem dele. É assim que, por uma lei admirável de sua providência, tudo se encadeia, tudo é solidário na Natureza (LIVRO DOS ESPÍRITOS).

     Com muita clareza os Espíritos Superiores esclarecem que o objetivo da encarnação é o acesso à perfeição, atravessando as vicissitudes da existência corporal e colaborando com a obra da criação.

     As vicissitudes não são castigos nem cumprem o papel de punição às faltas cometidas. Antes, são respostas às escolhas do Espírito em suas múltiplas vidas. Essas respostas são circunstâncias, mais ou menos contrárias ao senso de conforto do Espírito reencarnado. Umas são mais duras, outras mais suaves, mas em todas há a justa medida e o caráter de estímulo à superação das dificuldades.

     A par da imposição radicada na lei do retorno, o Espírito reencarnado participa da criação, em nobre papel colaborando com o aprimoramento da humanidade segundo as suas habilidades. Assim é que, enquanto se educa no sentido do bem, corrigindo o desequilíbrio que ocasionou quando ainda pouco afinado com o amor, seu novo exercício reverbera na condição evolutiva de todo o planeta.
 
Referência:
http://universosplurais.blogspot.com/p/estudos.html

VERDUGOS DA ALMA - CHICO XAVIER / EMMANUEL

A Terra é uma grande e abençoada escola, em cujas classes e cursos, nos matriculamos, solicitando – quando já possuímos a graça do conhecimento – as lições necessárias à nossa sublimação.
Todas as matérias que constituem o patrimônio do educandário, se aproveitadas por nossa alma, podem conduzir-nos aos resultados que nos propomos atingir.
Não existe, porém, ensinamento gratuito para a comunidade dos aprendizes.
Cada aquisição tem o preço que lhe corresponde.
  
***
 
A provação da riqueza é sedutora, mas repleta de perigos cruéis.
A passagem na pobreza é simples e enternecedora, contudo oferece tentação permanente ao extremo desespero.
O estágio na beleza física é fascinante, entretanto, mostra escuros abismos ao coração desavisado.
A demora no poder é expressiva, todavia, atrai dificuldades que podem comprometer o nosso próprio futuro.
O ingresso na cultura da inteligência favorece a posse de verdadeiros tesouros; no entanto, nesse setor, o orgulho e a vaidade representam impertinentes verdugos da alma.
A estação de calmaria na vida familiar é tempo doce e agradável ao espírito, mas aí, dentro, no oásis do carinho, a sombra do egoísmo pode enganar-nos o coração.
 
***

Em qualquer parte onde estiverdes, acordai para o bem!...
 
***

Recordai que o ouro e a intelectualidade, os títulos e as honras, as aflições e os sofrimentos, as posses e os privilégios são meros acidentes no longo e abençoado caminho evolutivo.
 
***

Lembrai-vos de que a vida é a eternidade em ascensão e não vos esqueçais de que, em qualquer condição, só no cultivo do amor puro, conseguireis edificar para a luz da imortalidade.

Referência Bibliográfica:

XAVIER, Francisco C. / Espírito Emmanuel. Inspiração. São Bernardo do Campo, SP: GEEM (Grupo Espírita Emmanuel), 1978. p.77-79.

POR QUE ESTAMOS AQUI?

sábado, 11 de fevereiro de 2012

ESPIRITISMO, UMA NOVA ERA - SUGESTÃO DE LEITURA

Na literatura espírita há excelentes obras de vulgarização que facilitam o entendimento espiritual da existência. Uma delas, que prima ao mesmo tempo pela concisão e pela completude, é Espiritismo - Uma Nova Era, do escritor e expositor espírita Richard Simonetti. Esta obra é a sugestão de leitura desta semana.
Extraímos os seguintes informes da contracapa do livro:
"O ilustrado autor toma como roteiro de sua obra o folheto da campanha FEB/CFN - Conheça o Espiritismo, uma Nova Era para a Humanidade - que ele considera 'oportuna síntese doutrinária'.
Em 19 capítulos ele desenvolve passo a passo os pontos fundamentais tratados no folheto, de uma forma simples, inteligente e agradável, quase que coloquial, de quando em vez ilustrando seus ensinos com histórias e fatos pitorescos do cotidiano.
O livro é para todos, espíritas e não espíritas, de todas as camadas sociais, mas está redigido numa linguagem mais popular, de modo a ser lido e entendido com prazer.
Nos comentários que Richard Simonetti escreve, é sempre salientada a visão grandiosa proporcionada pela Doutrina Espírita, com o revelar conceitos novos sobre o homem e tudo o que o cerca."

Referência:

SIMONETTI, Richard. Espiritismo, uma Nova Era. 2.ed. Rio de Janeiro: FEB, 1999.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

SEMPRE ADIANTE

Olha para frente,
Segue adiante,
Ditoso, contente,
Perseverante...

Só olhar para trás,
Remoendo o passado,
Pode tornar-te incapaz
De ir pra qualquer lado.

Dentro de ti mesmo
Ausência de movimento,
Tudo parado, a esmo,
Jangada ao sabor do vento...

Liberta-te do que passou,
Do medo que te intimida,
Indo além do que ficou
Como mágoa reprimida.

Olha para frente,
Segue adiante,
Ditoso, contente,
Perseverante...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

PENSAMENTO...

"O que há de mais difícil neste mundo é o homem conhecer a si mesmo." - Tales de Mileto.

Referência:

STEIGLEDER, Carlos G. (Org.). Pensamentos... 1. ed. São Leopoldo - RS: Nova Harmonia, 2004. p.113.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

SORTE OU AZAR?

Um velho e conhecido conto indiano narra a história de um camponês que tinha apenas três coisas de valor: uma pequena propriedade, um cavalo e um filho que estava no auge da juventude.
Tudo ia bem na vida do humilde campônio quando o seu cavalo desapareceu. Ao invés de desesperar-se, manifestou resignação, amadurecido pelas duras lições da sobrevivência.
No entanto, ao saber do ocorrido, o vizinho mais próximo apareceu e, no lugar de prestar solidariedade, apenas indagou:
- Nossa! Que azar, hein!
Ao que o velho serenamente respondeu:
- Azar? Sorte? Eu não sei... Só o tempo dirá!
Passados três dias, para surpresa de todos, o cavalo apareceu, mas não veio sozinho, trouxe com ele um outro cavalo, mais forte, mais jovem e mais bonito.
O camponês regozijou-se, aceitando o acontecimento com naturalidade.
O vizinho, contudo, quando tomou conhecimento do fato, retornou à pequena propriedade e exclamou, mal escondendo a inveja:
- Nossa! Que sorte, hein! Nunca vi um cavalo tão bonito como esse.
Revelando sabedoria, o camponês novamente afirmou:
- Sorte? Azar? Eu não sei... Só o tempo dirá!
Naquele mesmo instante, contrariando a vontade do pai, o filho montou sobre o novo cavalo, desejando domá-lo.
Foi quando o inusitado se deu. O cavalo saiu em disparada e o filho do camponês não conseguiu controlá-lo, caindo e quebrando a perna em três lugares.
O vizinho, esquecendo o dever de estender a mão e ajudar, apenas sentenciou:
- Nossa! Que azar, hein!!!
O velho camponês manteve-se calmo e disse novamente:
- Azar? Sorte? Eu não sei... Só o tempo dirá! - e foi atender ao filho machucado.
Uma semana depois, os soldados do rei aparecerem no pacato povoado, recrutando todos os jovens para a defesa do reino, em razão de uma invasão iminente.
O filho do camponês, por estar com a perna quebrada foi poupado.
O vizinho, desesperado por ter tido o seu filho levado para o exército do rei, asseverou novamente ao camponês, cheio de despeito:
- Nossa! Que sorte, hein!!! - chorando de modo inconsolável.
Por sua vez, o camponês lhe redarguiu como sempre o fazia:
- Sorte? Azar? Eu não sei... Só o tempo dirá!
 
 ***
Dando o que pensar, esse conto indiano não tem um desfecho preciso, podendo ser continuado indefinidamente.
Destaca-se a figura do camponês que, não obstante a sua simplicidade, demostrava grande sabedoria. Ele tinha o tipo de sabedoria que não é encontrado nas informações veiculadas pelos livros, mas que só é adquirida ao longo das duras e das difíceis experiências da vida.
Ante os acontecimentos infelizes, comportou-se com serenidade, não dando guarida ao desespero.
Ante os acontecimentos felizes, não se exaltou, conservando-se o mesmo.
Compreendia que todos os episódios da vida são revestidos de transitoriedade. Tanto as coisas ruins quanto as coisas boas vêm e vão, sem se ter o menor controle sobre elas, cabendo a cada um que as recebe, recolher em si as lições que pretendem deixar.
O bem que se quer, muitas vezes, pode ser um mal, tanto quanto o mal que não se deseja, pode ser na verdade um bem.
Talvez a melhor atitude a ser tomada diante dos enfrentamentos diários seja a do velho camponês: manter-se aberto e atento aos sucessos da existência, sempre numa perspectiva  tranquila e serena.
Afinal, não se sabe se é sorte ou se é azar, pois só o tempo o dirá...

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

FAROL DA ESPERANÇA

Se manténs a esperança,
Mesmo estando cansado,
Possuis poderoso farol
Que está sempre ligado!

domingo, 5 de fevereiro de 2012

OBEDIÊNCIA E EDUCAÇÃO - PSICOGRAFIA DE CHICO XAVIER / EMMANUEL

Enumeremos alguns símbolos extremamente simples da natureza, mas profundamente reais para nos auxiliarem o raciocínio na escola da experiência.
 
***

A semente que se resigna à solidão, no claustro da terra, é aquele que germina para enriquecimento do campo; e a que não passa por semelhante processo renovador, de modo geral, se encaminha para os misteres do adubo.
A planta que resiste à tempestade, adaptando-se construtivamente ao clima em que foi situada, é a que se esmalta de utilidades e flores, frutos e ninhos, na sustentação das criaturas; aquela, porém, que não tolera vicissitudes do tempo, desce à própria desagregação, antes de haver cumprido a tarefa para que fora indicada.
 
***

E assim ser-nos-á possível prosseguir lembrando no educandário da vida:
solo que aguenta arado e trator, enxada e pisoteio é o que produz em consonância com as necessidades da multidão;
pedra que escora o edifício é a que obedece aos projetos do construtor;
fio que comunica a força elétrica para benefício do reconforto é aquele que permanece no esquema de serviço em que foi colocado;
violino que irradia a bênção da música será sempre aquele que demonstra firmeza na função a que foi chamado, sem se sobrepor aos planos do artista.
 
***

Acontece o mesmo, no reino do Espírito.
Reconhecemos que não será justo comparar o homem a objetos e seres considerados de condição inferior.
O homem é a inteligência que já chegou à Razão e, por isso, é ele o mordomo responsável da vida, mas se não obedece, voluntariamente, em favor do bem de todos, conscientizando as próprias atitudes e aceitando os deveres que se lhe atribuem, ainda mesmo com sacrifício pessoal, a felicidade do Mundo vai se tornando cada vez mais distante e o aprimoramento individual cada vez menos possível.

Referência Bibliográfica:

XAVIER, Francisco C. / Espírito Emmanuel. Inspiração. São Bernardo do Campo, SP: GEEM (Grupo Espírita Emmanuel), 1978. p.74-76.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

A CAMINHO DA LUZ - CHICO XAVIER / EMMANUEL (SUGESTÃO DE LEITURA)

Francisco C. Xavier psicografou mais de quatrocentos livros que versam sobre os assuntos mais variados (poesia, história, teologia, exegese bíblica, física, geologia, biologia, medicina, psicologia, etc.). O conjunto da sua obra tem um valor incalculável, competindo ao futuro aquilatar toda a sua relevância para o processo de espiritualização do mundo.
Como sugestão de leitura desta semana indicamos “A Caminho da Luz”, livro que se destaca da produção mediúnica de Chico Xavier pelas informações e esclarecimentos que apresenta.
Quem tem o desejo de compreender melhor o momento histórico que estamos vivendo, precisa ler este livro. Emmanuel, o conhecido e respeitado mentor do médium, é quem assina obra, escrita e publicada em 1938, realizando uma série de significativas revelações.
O livro faz uma análise do ponto de vista espírita do processo histórico do ser humano, desde os tempos pré-históricos até o século XX.
Cada um dos seus vinte e cinco capítulos destaca que sobre as ações humanas pesa a interferência espiritual, tanto positiva quanto negativa, ajudando a modelar a realidade de cada tempo e de cada lugar.
Emmanuel revela a saga dos exilados de Capela, Espíritos de outro sistema planetário que são conduzidos à Terra para se redimirem e que contribuem para estabelecer as bases das primeiras civilizações.
Ressalta, ainda, o protagonismo de Jesus, como responsável espiritual pelo nosso planeta, coordenando direta e indiretamente os caminhos pelos quais têm seguido o ser humano.
“A Caminho da Luz” foi psicografado ao longo de trinta e seis dias e além da rapidez com que foi recebido mediunicamente, surpreende a amplitude e coesão dos temas expostos, bem como o poder de síntese demonstrado pelo autor.
A leitura deste livro oferece a chave para se decodificar os enigmas do presente e o destino do homem e do planeta Terra.

Referência:

XAVIER, Francisco C. (Espírito Emmanuel). A Caminho da Luz. 21. ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1995.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

PENSAMENTO...

"A alegria é o sinal pelo qual a vida marca o seu triunfo." - Alex Carrel

Referência:

STEIGLEDER, Carlos G. (Org.). Pensamentos... 1. ed. São Leopoldo, RS: Ed. Nova Harmonia, 2004. p.11.

Pesquisar